quinta-feira, 19 de junho de 2014

Novo Projeto!



Há um tempo ando vagando na blogosfera, e percebo que grande parte dos blogs tem a personalidade do dono embutida. Mas o que mais me chama a atenção é que alguns blogueiros fazem questão plena de deixar claro suas crenças e seguimentos. Por exemplo, você facilmente consegue identificar um ateu ou feminista através de seus posts. Mediante isso, resolvi adicionar uma seção ao blog. Se chama "Tem um minuto?" e se encaixará com os projetos. Sem muitos detalhes a descrever, esse projeto trará um pouco da minha identidade crista pra cá.

E outra coisa que quero adicionar ao blog é //cinco segundos de mistério// um espaço para músicas e playlists. Não consigo resistir. Necessito! //voz de Smigol pra dar emoção//.

E enfim, só pra deixar bem claro que, mesmo com essas "mudanças", Tesouros Ao Vento continua sendo um blog de textos. Com este post não venho anunciar mudanças propriamente ditas, mas sim coisas novas! O que foi feito até aqui continuará.

E como toquei no assunto de continuar o que foi feito, é com grande prazer que anuncio-lhes que prosseguirei quanto antes com o desafio "30 Dias de Escrita"!

No momento é só. Agradeço a atenção de todos. Até a próxima õ/

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Amanhecer distante



Tudo o que eu queria no momento era estar a sós com uma lua quase nascente. Ou talvez eu só quisesse entender o porquê daquele nervosismo e daquelas lágrimas escorrendo sem pedir. Meu cabelo solto nunca foi-me tão útil.

Tentei diversas vezes disfarçar a dor sem causa, mas cada sorriso forçado eu encarava como uma faca cravada em minhas costas. Não recusaria uma capa da invisibilidade, se bem que todos agiam como se eu não estivesse ali.

Minha personalidade dramática não ajudou em nada, nem meu jeito infantil, sequer minha criação mimada. Na verdade pareciam só piorar tudo. Talvez todo essa história tenha servido para mostrar ao meu eu encabulado que não estou preparada para lidar com pessoas, ou talvez não com aquele tipo de pessoa.

Queria fugir, queria gritar, queria entender meu desespero. Mas como todos dizem, é uma pena que querer não é poder. Se assim não fosse não estaria no estado que estava, e todo meu bem-querer seria realizado, assim como meu mal-querer, que acabaria se tornando um perigo mortal para minha pessoa.

Mas então chega o fim da noite, junto à minha cama bagunçada, aos papéis espalhados, ao tão esperado silêncio. E enfim fecho meus olhos, e durmo. E parece que nada disso nunca aconteceu. Parece só mais uma dessas minhas histórias que crio para passar o tempo. E com o amanhecer ficam apenas as lembranças. Nenhuma dor mais. E a tristeza finalmente chega ao fim.