quinta-feira, 4 de setembro de 2014

"Ninguém me ama" - disse ela



Olho pra trás e vejo quanta coisa perdi por causa de birra. Sabe, né? Aquelas coisas de criança que se você não tomar cuidado fica com você pro resto da vida. E com "coisa de criança" quero dizer "coisa de criança bem pequena". Aquele hábito chato de bater o pé, gritar, chorar, e o pior de todos: Ficar com aquela velha história do ninguém me ama, ninguém me quer.

Queria voltar no tempo, no momento exato de um daqueles meus surtos, e me dar um daqueles tapas na cara pra acordar pra vida. Queria poder ficar na frente do espelho, na época, e dizer "vê se cresce!".

Crescer. Acho que nunca soube o significado dessa palavra. Talvez eu pensasse que crescer fosse só fazer uns aniversários a mais e aumentar o número da roupa e do sapato. Nunca imaginei o caminhão de responsabilidades que teria que empurrar ladeira acima. Acho que não parei pra pensar em como transformaria meus rabiscos coloridos em textos mais ou menos em preto e branco.

E a mesma história só continuava. "Ninguém me ama, ninguém me quer", ela dizia. Pois vá comer barata! Não adianta mais bater o pézinho pra conseguir a tão almejada atenção. Todos já sabem que você já é gente grande, menos você.

Mas parecia que os meio monólogos meio diálogos não adiantavam nada! Parecia que nem quando eu queria acordar eu não conseguia! Por um momento quis me isolar do mundo. Por vezes até quis me enfiar dentro do microondas, deixar um minuto e... BOOM!

Mas sempre dá um jeito de arrumar as coisas. Se o despertador não dá conta do recado o balde de água gelada sempre surte efeito. O problema é que às vezes a gente é tão cabeça dura que tem que esperar morrer pra aprender o quanto vale a vida! A questão é que tive que levar um sacode pra ter noção da situação toda.

Tive que estragar amizade, virar amiguinha de gente sem juízo, falar até alguém me mandar calar a boca, e outras coisas que passaram a acontecer quando passei dos limites. Mas no final tudo se resolveu. Ou mais ou menos. Afinal, de vez em quando vou precisar ter aquele momento de garotinha desesperada por atenção, mas só em últimos casos, ou quando é de interesse comum.

No final de tudo acabei aprendendo a me controlar. Custou caro, claro, mas toda reforma custa. E leva tempo, e como leva...

Na maioria dos vezes sou tão impaciente que até o tempo chega ser o problema.

4 comentários:

  1. Pois vá comer barata!
    verdades verdadeiras...
    Até hoje não sei oque é crescer e sempre que tento pensar sobre o caso fico frustada, afinal a gente sempre pensa que sabe oque está acontecendo mas na verdade tem muito mais coisa por trás que a gente nem imagina que pode ser real.

    BJS MIGAAAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só li verduras. É mais fácil ser criança pra sempre :v

      PS.: Tu ta parecendo a Caroço desse jeito u.u

      Excluir
  2. Adoro meus caroços :3

    PS:. eu queria ser criança pra sempre, ter alma de criança é mais fácil, mas também MUITO complicado, por que quando agimos feito crianças "no bom sentido" todos olham torto pra gente e nunca reconhecem o que é feito de coração .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora ta parecendo Pequeno Príncipe '-'

      É difícil demais viver a vida vivida por viver la vida

      Excluir