sexta-feira, 24 de outubro de 2014

O sacrifício que merece ser lembrado



Sabe aquele lance do Deus que está nos céus controlando nossas ações e escolhendo quem sobe e quem desce? Esquece isso!

Quero te apresentar o Deus que, mesmo sendo Deus, deixou toda a sua glória pra morrer em uma cruz. Ele não morreu para ganhar status. Ele não morreu por uma aposta. Ele não se entregou só para mostrar sua modéstia e encantar a todos. Ele morreu por você.

Seus pais ainda nem existiam e a possibilidade de você nascer era mínima, mas era em você que ele estava pensando. Pensava no seu jeito, em seu olhar. Ele mergulhava nas possíveis conversas que você teria com ele.

Não é fácil se colocar no lugar de Jesus. Sabe como é, somos pecadores. Isto é, nós erramos desobedecendo as ordens dele. No lugar dele talvez eu deixasse a humanidade se virar e arranjar sozinha um jeito de se manter. "Ninguém mandou eles serem rebeldes", eu pensaria. Mas Jesus fez exatamente o contrário. Você percebe isso quando ele já estava pregado no madeiro. Ele não pediu que Deus Pai consumisse os que o escarneciam. Ele apenas disse: "Perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lucas 23.34).

Era como se ele tivesse dito: "Eles nos desobedecem constantemente, nos trocam por dinheiro, fingem simpatia para receberem algo. Eles são pecadores, nós dois sabemos disso, Pai. Mas... eu os quero para mim. Eu os quero em meu jardim particular. Eu quero regá-los e ensiná-los a viver. Eu quero mostrar-me a eles. Isso é tudo o que eu quero. Não os lance no inferno, Pai. Perdoa-lhes, eles acham que estão fazendo a coisa certa".

Nós não sabemos o que fazemos. Já nascemos com a ideia de que pecar é o mais certo. Crescemos aprendendo que errar é o caminho mais fácil. Ninguém nunca nos disse que isso vai além do que ganhar uma ocorrência na escola ou levar uma bronca do patrão. Nossos pensamentos nos destroem. Maquinamos tanto tantas coisas que passamos a pensar que não tem problema algum em realizá-las. Quando percebemos estamos longe de Deus. Tão longe que achamos que é impossível voltar para ele.

Nós somos pequenos. Tanto nós quanto Jesus sabemos disso. Quando nós caímos temos medo de nos levantar. Se continuarmos andando podemos cair de novo, mas o chão é tão seguro. Se você estiver sentado não tem como cair.

Você corre com um entusiasmo infantil tentando pegar seu gatinho. Você salta e estica bem os braços. Você não alcançou. Você caiu e torceu o tornozelo. Você sentou-se para descansar, e gostou do descanso. Gostou da imobilidade. A brisa suave sobre seu rosto suado é mais confortável do que sentir suas veias pegando fogo, não é?

Você senta. Você fecha os olhos.

Acorde!

Você não se lembra?! Não se lembra porque você saiu de casa? Não se lembra das suas cicatrizes? Você nunca desistira antes. Você nunca ousou sentar-se. Olhe para cima! Veja seu gato, prepare as suas mãos. Você não consegue pular? Então escale! Sua pele pode se machucar muito. Mas pense comigo... Vai valer a pena?

As feridas se curarão logo. Mas seu bichinho... Não há dinheiro no mundo que possa comprar um igual a ele. E você o amava! Tente lembrar-se dos bons momentos que você passava com ele. Da satisfação de quando você lhe dava ração e ele se enroscava em suas pernas. Lembre-se.

Agora tome sua decisão.

Sabe quem é esse gato, não é? Ele é Jesus.

Se lembra de quando você sentia uma euforia enorme quando estava prestes a falar com ele? Se lembra de quantas noites você despachou o sono só pra ter um momento em silêncio com ele? Se lembra de quando você descobriu que estava tudo bem em só ir à igreja, cantar e voltar pra casa? Nenhuma pessoa da igreja ficava te apontando quando você fazia isso. Se lembra de quando você sentou?

Você desistiu de tentar. Olhe para o seu coração e observe as feridas cicatrizadas. Se lembra de quem as curou? Se lembra de quem estava com você quando aquele seu amigo virou a cara para você? Se lembra de quem te apoiou quando as pessoas te olhavam feio na rua por estar com uma Bíblia em mãos?

Você se lembra da alegria que sentia?

Procure um pouco em sua mente. Mesmo que isso dure dias, semanas e até meses! Resgate o seu relacionamento com Cristo.

Você pode até não se lembrar de como você vivia ao lado dele, mas ele se lembra da dor. Ele se lembra de seu próprio sangue se escorrendo naquele pedaço de madeira. Ele se lembra da coroa de espinhos que lhe perfurou o crânio. Ele se lembra bem dos pregos que lhe prenderam à cruz. Ele era Deus. Ele podia se soltar. Mas ele também se lembrou de você. Sendo assim, ele não se arrepende de ter sofrido tanto. Ele se orgulha.

E você? Se lembra dele? Se lembra das noites mal dormidas e das manhãs de barriga vazia? Se lembra de quando abriu mão de seus sonhos para deixá-los na mão dele? É só isso que você precisa. Ele quer que você se lembre.

Se não for assim, todo o sacrifício foi em vão.

Se lembre de que um dia houve um Deus que criou o mundo. Se lembre que sua criação errou. Se lembre que esse mesmo Deus veio para a terra, conviver com a criação. Se lembre que ele, sendo criador, sujeitou-se à condição de servo da criação. Ele se entregou para ver você viver.

Imagine seu quadro mais belo em sua frente. Você tem habilidades para entrar nele e assim o faz. Quando você chega lá, todas as pessoinhas que você desenhara acham você estranho e querem te matar, pois acham que você é uma ameça. Aquelas pessoas são totalmente gratas à seu pintor, mas elas não sabem que você é ele.

Nos esquecemos de quem nos pintou. Nos esquecemos, sim, e isso não é bom. "Deus não sabe como eu me sinto", você me diz. Mas não foi ele quem te criou? Não foi ele quem criou os sentimentos? Como se isso não bastasse, não foi ele que entrou em sua própria pintura e se fez como você? Como é que ele não sabe como você se sente?

E então enchemos nossa cabeça de pontos de interrogação e perguntamos onde é que está esse Deus que se diz presente mas que parece não responder o que perguntamos. Será que já paramos de fazer nossas perguntas e passamos a ficar em silêncio aguardando sua resposta? Jesus é um cara plenamente educado. Ele não vai abrir a boca enquanto você estiver falando - a não ser se você tiver passado dos limites e ele precisar dar um basta nas suas reclamações. Fique em silêncio.

Quando essas perguntas vierem à você, só uma coisa lhe basta: olhe para a cruz.

Lá você vai encontrar as respostas das perguntas mais difíceis. Você vai saber o porquê das tuas dificuldades, o porquê das tuas perdas, o porquê de Jesus ter morrido e o porquê de você sentir imenso prazer ao estar com ele.

Olhe para a cruz, e lembre-se: Foi tudo por amor.

Muitas das vezes você fica chateado ou com raiva de Jesus, mas ele só sente amor por você. Amor misturado com compaixão.

Ele sabe o que você passa. Por isso ele nos anima e está sempre presente para nos ajudar.

"O Senhor, pois, é aquele que vai diante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te espantes."
-Deuteronômio 31.6

Ele te deu a vida, e você pode retribuir-lhe entregando a sua.



Vinho e Pão
Fernanda Brum

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Seja livre do pecado



Todo mundo já passou por uma consulta médica. Talvez não todo mundo, mas com certeza todos - ou a maioria - que conheço.

Ir ao médico é aguentar aquele incômodo de ficar sentado na sala de espera, é sentir-se culpado por ver pessoas com problemas bem piores que os seus, é ter que dar um relatório da sua vida para enfim receber o diagnóstico.

Ficamos, ainda, muito felizes quando somos atendidos por um profissional capacitado. Quando saímos daquela sala fria, sabendo que não temos nada ou que se tomarmos os medicamentos do jeito certo melhoraremos, pensamos que valeu a pena sair de casa.

"Ainda bem que eu não fiquei na cama", pensaria eu.

Se eu não me levantasse, talvez meses depois eu descobriria na prática que possuo uma doença que pode me matar. Talvez se isso acontecesse eu nem me lembraria da consulta que perdi

O médico teria entrado no meu quarto, com um olhar solene, cabisbaixo. "Se tivéssemos começado o tratamento antes talvez eu não precisasse dar esse recado", então olharia para mim. "Você tem quinze dias", ele diria.

"Não há coisa sã na minha carne, por causa da tua cólera; nem há paz em meus ossos, por causa do meu pecado"
-Salmo 38.3

Ossos quebradiços. Isso é tudo o que temos. Ossos guardados sob uma camada podre de carne.

Não temos esperança, nem a opção de sair andando. Temos ossos trincados. Isso é tudo o que temos.

Na nossa pele carregamos as marcas do pecado. Você nunca quis isso para si. Nunca quis errar.

Você estava brincando na escada e caiu. Você tem medo de mostrar o machucado para seu pai. Ele lhe dissera que não era para brincar ali. Ele brigava com você todas as vezes que você se aproximava, mas ele nunca colocou uma grade. Ele confiou em você.

Ele sabia que você não resistiria e que acabaria brincando por lá. Ele sabia que você se empolgaria e acabaria se machucando. Você o desobedeceu, ele sabe disso. 

Mas quando você mostra sua ferida aberta... Ele não pegunta o que você fez. Ele chora. Apenas chora.

Você olha nos olhos dele. Você não precisa dizer uma palavra. Ele sabe o que você está pensando. Ele te conhece tão bem... Esse olhar sempre quis dizer isso.

Eu achei que eu não cairia da escada. Você me disse para ficar longe, mas eu não fiz o que você pediu. Você nunca mais vai querer me dar outra chance. Você vai me prender dentro de casa e não vai me deixar sair nunca mais. Eu mereço ser castigado.

Ele sorri. "Tome mais cuidado da próxima vez", ele aplica um curativo em você. "Pode voltar a brincar".

Você se lembra do dia em que ele te perdoou? Ainda não foi falar com ele?! Saia correndo! Você não sabe fazer o curativo. Se lembra da última vez? Você só colocou uma calça pra ninguém ver. Seu machucado só cresceu!

Consegue entender o que quero dizer? Jesus nos dá uma lista com coisas que não podemos fazer. Pode parecer chato, mas com o tempo você vai perceber que é para o seu bem. Ele nos pede coisas como não empinar pipa na laje e não brincar com o leão do zoológico. Porém ele nunca vai te impedir de brincar. O objetivo de Jesus não é te prender em um cubículo cinza. Ele quer que seu relacionamento com ele seja divertido.

Ele confia em você. Ele te mostra o caminho que vai dar um destino legal. Ele te mostra o caminho que vai te levar à morte. Ele te diz que o primeiro é melhor para você. Você escolhe o que achar melhor.

Ele sabe que você vai errar. Ele sabe perfeitamente bem que você vai cair. Mas isso é só para você perceber sua dependência dele. A única coisa que ele espera de você é seu pedido de ajuda.

"Se, vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?"
-Mateus 7.11

Jesus Cristo é o nosso pai. Pai celestial, com planos maiores que os meus.

Quando eu era menor, já perdi a conta de quantas vezes desobedeci meus pais. Seja por birra ou por simplesmente por ir deitar depois das dez. 

Já levei bronca, já levei tapas, mas estou viva. Isso nunca me prejudicou. Ao contrário, me fez entender que todas as vezes que eu desobedecer novamente só vai nos afastar. Porém, mesmo eu errando eles nunca me expulsaram de casa.

Se meus pais, pessoas pecadoras como eu, como você, conseguem me desculpar quando eu faço besteira, que dirá o Deus dos céus, abundante em misericórdia! Estamos tratando de um Deus que não permite que a raiva, o ressentimento e a mágoa penetrem em seu coração. Ele é amor.

"Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço."
-Romanos 7.19

Uma coisa você pode ter certeza: Você não pode fugir do pecado. Isto é, você vai pecar sempre - talvez "sempre" seja uma vez por dia, talvez uma vez por mês, só Deus sabe contar -, mas isso não quer dizer que você possa pecar.

É como sujeira. É impossível fugir dela. Mas não é por isso que deixamos de tomar banho. Tomamos banho todos os dias para que a sujeira não venha tomar conta da nossa pele. Da mesma forma nós. Pecaremos, sim. Mas sempre temos que estar pedindo perdão a Jesus. Só ele tem o produto que remove culpa e impureza.

E por isso eu deixarei de tentar? É claro que não!

Nosso alvo é Jesus, que está nos céus. A única maneira de entrar lá é com uma roupa diferente. 

Ele nos chama para uma festa. Um casamento. Somos a noiva. 

Jesus gosta de surpresas e de surpreender. Ele não vai nos avisar a hora do casamento. Ele só vai acabar de preparar a decoração e esperar os convidados chegarem e vai correndo nos buscar.

Você tem que estar pronto. Ele vai chegar a qualquer momento.

Você vai sentir fome, sede, sono. Você vai ter que tomar muito cuidado para não desmanchar o cabelo e não ficar com cheiro de cebola na mão.

Imprevistos acontecem. Vai correndo pegar a escova, o detergente. Não se esqueça de passar o perfume.

Ele não te disse se vem às seis ou às dez. Talvez ele chegue pela manhã.

Você se lembra de sua voz? Se você estiver dormindo ele vai te chamar. É uma questão de tempo até que ele chegue.

Ele toca a campainha, com um vestido branco nas mãos. Você sai correndo e abre a porta. E aí, qual é o seu estado? O vestido imaculado foi feito sob medida para você, mas você só pode usá-lo se você estiver limpo. Se você tentar, você com certeza estará. Ele só quer ver o quanto você se preocupou em se encontrar com ele.

Essa será a sua prova de amor final.


Há um rio
Fernandinho

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Conheça e confie em Jesus



Hey, hey, moços e moças õ/

Imagine você com problema em tudo quanto é canto, e chego eu dizendo que vai ficar tudo bem. Pare e pense por alguns segundos: O que você me diria?

Enquanto você vai pensando, vou falar um pouquinho sobre o livro que vocês viram lá no topo do post. Apesar de ser meio impossível pensar em uma coisa lendo outra, mas beleza.

Esse é o livro Deus está no controle de Max Lucado. É o primeiro livro dele que eu pego pra ler. É um livro muito bom que faz a gente compreender a situação de Deus diante dos nossos problemas e de nosso desespero em ter tudo sob controle. #superrecomendo

E aí? Pensou na resposta?

Como eu não consigo ouvir se você disse ou pensou sim ou não, vou esperar a resposta nos comentários.

Mesmo sem saber a sua resposta, posso te dar uma sugestão do que fazer perante todo esses problemas. Confie em Deus.

Confiar em alguém é uma coisa que leva tempo. Sendo assim, para confiarmos em Deus, precisamos passar um bom tempo com ele. Por isso precisamos falar com ele sempre.

É bem mais fácil buscar a Deus quando tudo vai bem. Se você já o conhece, quando os momentos difíceis chegarem você já sabe onde encontrar a solução. Agora, se você pensa em viver la vida loca sempre que tiver chance, sem nem lembrar que Deus existe, vai ser bem mais complicado aguentar sozinho um caminhão de problemas nas costas.

Jesus não existe como uma válvula de escape. Ele não está lá no céu pra gente mandar um 190 toda vez que nos metermos em encrenca. Jesus quer, sim, ser para nós um amigo. Um cara que podemos contar nosso dia, nossos segredos, e que está inclusive disposto a escutar nossos problemas.

O difícil de confiar em Deus é que geralmente temos uma visão bem - mas bem mesmo - aterrorizante a respeito dele. Sendo assim, é difícil confiar num Deus que você vê como Senhor Soberano sobre céus e terra.

Não estou dizendo que isso é mentira, só estou dizendo que definir Deus como Todo Poderoso, assim, logo de cara, dá até receio de conhecê-lo.

É bem mais fácil falar com um amigo do que com um juiz.

E mais uma vez repito: Deus é sim Criador dos céus e da terra, Soberano sobre nós. Porém ele também é uma pessoa normal, do tipo que dá pra conversar sem tremer as pernas.

Uma coisa eu falo sem medo de errar: Jesus é o melhor amigo que uma pessoa pode ter.

Por quê?

Pelo simples fato dele compreender cada partícula de cada mínimo pensamento que botamos tudo junto na nossa mente e mandamos pra ele decifrar. Ele nos conhece tão bem quando nós mesmos. E o que eu mais admiro nesse Jesus é a liberdade que ele nos dá.

Ele, sendo o Deus que é, poderia muito bem nos botar nos trilhos todas as vezes que tentássemos um plano B. Mas ele, como o amigo que é, nos alerta qual é escolha certa, mas mesmo assim nos deixa errar, nos deixa aprender com os nossos erros.

Qual é, que amigo não faz isso?

Se nós conseguirmos enxergar Jesus como aquele cara que está sempre do lado, pau pra toda obra, que mesmo quando estamos super pra baixo ele ouve nossos desabafos e ainda nos consola, fica bem mais fácil de confiar nele.

A partir do momento em que você consegue estabelecer uma amizade com esse Jesus, pouco importa o que os outros vão pensar, pouco importa se ele é palpável ou não, visível ou invisível, se vai falar por sonho, por profeta ou por sua Palavra. A única coisa que importa é que Ele existe. E você também.

Não importa há quanto tempo você o conhece ou em qual igreja você vai. Importa, sim, o momento em que você possa recitar as mesmas palavras de Jó:

"Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te veem os meus olhos."
-Jó 42.5

Se você não tem ideia de quem seja esse cara que eu falei o post inteiro, procure saber. Troca umas ideias com ele quando estiver lavando a louça ou dirigindo. Apresenta pra ele o teu dia, assim como toda a tua vida.

Você não vai perder seu tempo. Disso eu tenho certeza.



Agora os meus olhos te veem
Jó 42


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Minhas postagens favoritas (até agora)


Reuni nesse post as minhas postagens favoritas da versão antiga do blog. Vou falar um pouco sobre o "making off" de cada uma delas.

O texto fala por si só.
Escrevi num daqueles momento de "Oh My Globs, eu não tenho cabeça pra fazer tudo que eu preciso!".

Meu primeiro texto de triplo sentido, cara!
Fiz uma comparação entre a Fênix, o dia e as pessoas.
Queimei alguns dos meus poucos neurônios, mas valeu a pena.
Escrevi logo após minha leitura de Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque.
Foi uma adaptação do livro onde me coloquei no lugar da protagonista.

Me inspirei no livro Pollyanna.
Escrevi esse texto como uma continuação do livro, narrando Pollyanna adulta, deixando para trás o Jogo do Contente que sempre fez parte de sua vida.

Eu-lírico distante de mim. Bem, mais ou menos.
Estava cansada dessa coisa de ignorar as pessoas que não parecem estar bem.
Se o eu-lírico fosse a capivara aqui acredito que esse poema poderia ser escrito em terceira pessoa.

Confesso que esse poema foi seguindo o rumo de filosofia forçada. Mas amei o final dele, apesar de ter plena certeza de que não fez muito sentido pra ninguém.

Nada a declarar. O poema fala por si.

Totalmente inspirado no meu bebê, contrabaixo.
Coloquei uma dose de música com uma pitada de vida. Deu no que deu.

Tentei escrever algo profundo e que fizesse com que o leitor pensasse por algum tempo. Não sei muito bem se deu certo.

Outro texto que escrevi num momento de pensamentos em excesso. Na verdade peguei umas memórias bem antigas para escrever este. Escrevi na intenção de fazer com que as pessoas que lessem se identificassem com o eu-lírico.

Escrevi pensando na Herlene, escritora do DEScomplicando.
Queria escrever havia tempos uma poesia nesse estilo, mas somente ao ler o blog dela que eu tive esse empurrãozinho.

Esse fez parte do desafio 30 Dias de Escrita (que inclusive não terminei).
Escrevi pensando em um amigo meu, numa daquelas fases de se fazer forte.
Não sei se dá pra perceber direito, mas lendo hoje eu percebo que fui bem cruel.



Escrevi essa numa daquelas de ficar se fazendo de vítima. Olhei um pouco para os anos anteriores e decidi que queria ser uma pessoa diferente.
Na verdade, eu estava no meio de uma tentativa de mudanças quando estava digitando os últimos parágrafos.




Espero que vocês tenham gostado desses textos tanto quanto eu.

Então é isso aí. Agora é só aguardar o resto das mudanças, a estabilidade do blog e novas informações.

Até a próxima õ/


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Explicações + era uma vez Tesouros Ao Vento



Hey hey povo meu õ/
Pois bem...
Andei meio sumida nessa semana. Não tenho muito o que explicar, foi por preguiça mesmo. Porém, até o final do ano vou ficar bem ausente. Vou tentar escrever pelo menos uma vez por semana, mas não prometo nada.

Motivo? Vou reformar o blog \õ/ ~todo mundo gritando~
Só que, diferente das mudanças até aqui, essa vai ser pra valer. Vou mudar os posts, as imagens, o layout... Enfim, o blog todo. Eu poderia muito bem criar um blog novo (seria mais fácil), mas eu só colocaria mais um blog na minha lista de abandonados. Estando tudo junto e misturado pelo menos dá pra ficar um pouquinho mais organizado.

O post foi praticamente pra falar isso :D

E pra realizar meu sonho, vou deixar minha assinatura aí embaixo u.u


quinta-feira, 9 de outubro de 2014

#TemUmMinuto? - Sobre o ide de Cristo



"Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho.
Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho!"
-1 Coríntios 9.14,16

O Tem Um Minuto de hoje é em vídeo! \õ/
Então é isso aí :3


É isso aí.
Até a próxima!

Sayonara õ/

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

#TemUmMinuto? - Deus sabe das coisas



"Gira o mundo, revira-volta
Deus escreve certo por linhas certas
Torto é quem não sabe interpretar"

Pois bem. Não sei muito bem como dizer isso, mas cara, essa música é muito verdadeira.

Vou falar de mim nesse post, mas serve para qualquer um. Considere-se lendo um capítulo da minha biografia.

Semana passada um amigo meu me perguntou se eu tinha testemunho. Eu disse que não. Mal sabia eu que estava escrevendo um naquele momento.

Minha vida era perfeita. Normal. Nunca pensei que poderia acontecer muita coisa. Achava já conhecer tudo, inclusive os contratempos da vida. Eu tinha uns doze anos na época.

Conheci um amigo virtual. Daqueles que dá pra conversar a tarde inteira que os dedos nem chegam a doer. Tínhamos alguns gostos em comum.

Tirava boas notas, os professores me amavam, comecei fazer amizades (uma coisa que dois anos antes disso eu nem pensaria em me aventurar) e participei de alguns projetos da escola.

Eu ia pra igreja, cantava com as crianças, tocava e, vez ou outra, ficava até chateada quando o culto acabava mais cedo.

A vida que qualquer pessoa desejaria. Simplesmente perfeita.

Era o que eu achava.

Esse ano caos começou. Sabe como é, toda mudança tem uma bagunça antes, e o dobro de canseira. 

Decidi que viveria para Cristo. Nunca tive o objetivo de ser a pessoa mais santa ou mais excluída do mundo. Eu só queria conhecer esse Deus que eu tanto falava.

"Quantas vezes ouvi Tua voz chamando-me:
Sobe mais alto, e maravilhas tu verás.
Mas a tempestade poderá chegar"

Não era tão difícil, eu pensei. Era só orar, ler a Bíblia e fazer o que Deus mandasse. Mas aí é que vem a solução com cara de problema. 

Nossa natureza é voltada para o pecado, que significa errar o alvo, o alvo que é Cristo. Ou seja, nossa natureza vai contra tudo o que Cristo quer que façamos, que vai desde um jejum até parar uma pessoa no meio da rua e falar um "Jesus te ama".

Como minha irmã já diz: "Para viver com Jesus é preciso estar preparado para viver uma aventura nova a cada dia".

Eu não esperava as tempestades. Queria apenas ter a bela vista do alto de uma montanha.

Sabe aquele meu amigo que eu falei antes? Pois é, de repente paramos de nos falar, sem mais nem menos. Ir para a igreja começou ser cansativo. E ainda por cima ainda arranjei encrenca na escola que acabou gerando briga dentro de casa.

Sempre ouvi dizer que quando tudo vai mal é que a gente busca a Deus. Nunca acreditei muito nisso, afinal, já havia passado por maus bocados antes. Dessa vez foi diferente.

Eu procurava uma solução para todas aquelas coisas acontecendo. Por vezes quis tirar férias de tudo para botar a cabeça no lugar.

Enquanto isso já estava tentando fazer justiça como próprias mãos. O mais incrível é que não foi uma coisa de tentativa ou erro que depois eu descobri que não era o que Deus queria que eu fizesse. Foi uma coisa que Deus deixou bem claro para eu não fazer, e na hora eu fiz.

Depois de muito quebrar a cara e simplesmente não ter outra opção, resolvi confiar em Jesus.

"E Deus, porque eu sou tão pequenino assim
Vou ficar quietinho aqui no Teu colo
Esperando o tempo certo de tudo"

Esperar era a melhor opção. Desde o começo.

O Senhor me deu estratégia para enfrentar todos esses problemas. E mais do que isso, me consolou. Todo aquele estresse e desespero que não me deixava dormir desceram pelo ralo.

Percebi que vale a pena perder a razão de vez em quando só para manter a paz.

O que é uma porção de razão comparada à paz eterna que Cristo dá? Às vezes não dá pra ficar com as duas coisas.

"Nesse mundo passarei por tristeza e dor
Esperando ver chegar
O Grande Dia do Senhor"

Talvez essa prova já tenha chegado ao final, mas dificuldades vão existir sempre. Porém, aprendi que, mesmo em meio um mundo caindo aos pedaços, sempre vou poder contar com o Espírito Santo para contar o que me tem acontecido e esperar uma solução.

E mais do que isso, sei que um dia tudo isso passará. Suportar toda dor sem se esquecer Daquele que morreu por mim e ter a certeza de que vou para um lugar onde não haverá trabalho, não haverá cansaço, não haverá dor nem tristeza. É ter a certeza de que conhecerei face a face esse Deus que cuida de todo o mundo mas que tem um tempo especial para mim. 

Além disso, toda prova tem um motivo. Talvez Deus só esteja te ensinando a fazer uma coisa que você vai precisar fazer lá na frente.

Não precisa questionar. Esse Deus sabe das coisas.

Ele não quer te ver sofrer, só quer te ver melhorar. Já viu alguém ser bom em alguma coisa sem praticar?


“Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”
– I Coríntios 10:13

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Sobre uma coisa que costumo chamar de vida



A vida...

Ela é difícil, sem sombra de dúvida. Mas se não fosse, ela seria sem graça.

A graça da vida é viver com o velho dilema "viver ou ganhar a vida". É justamente a emoção e a possibilidade de tudo dar errado que dá vontade de viver.

Se a vida fosse fácil ela não se chamaria vida. Ela se chamaria... Bem, sei lá. Acho que algo como marca de chiclete com frase de efeito. Mas de qualquer forma não se chamaria vida.

Viver é como administrar uma empresa. Uma empresa com vários setores chamados: serviço de casa, estudos, trabalho, lazer, relacionamento social e outros tantos variáveis. Esse último, porém, é o que mais dá problemas. Lidar com pessoas é difícil pra caramba! Lidar com si mesmo já parece um massacre!

Chega uma hora na vida que é preciso saber usar relógio. Um relógio que só faz "bipe" quando é o momento certo de se trancar no quarto e chorar o que tiver que chorar, pensar o que tiver que pensar, gritar o quanto for necessário e bater a cabeça na parede até desgastar esse desgaste que cansa. E saber o tempo de lavar o rosto, voltar pro mundo de sempre e carregar as dezenas de caixa para o caminhão de mudança que sempre dá uma volta ou outra por aí, jogando fora o que não presta.

No fim das contas, viver é apostar uma corrida contra o tempo tocando violino, cantando música holandesa, fazendo sapateado de olhos vendados sobre uma corda bamba. Um erro mínimo te faz cair. Você só precisa ter coragem o suficiente para subir as escadas, encarar a platéia e continuar o show.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Entre obrigações e responsabilidades



As pessoas vivem dizendo que preciso ser responsável se eu quiser ser alguém na vida. É extremamente fundamental, eles dizem. Já tentei, mas é muito cansativo. Às vezes não estou afim de fazer o que uma pessoa responsável faria.

Percebi que ser responsável é fazer coisas que eu não gosto por ser necessário. É esquecer a ideia fixa de só fazer o que me agrada. É passara fazer um monte de coisa chata para evitar coisa pior.

A questão é que chega uma hora que não dá mais para escolher. Chega uma hora que as responsabilidades se aproximam e grudam que nem chiclete. Elas prendem nossos pés e vão subindo e subindo, até que você se vê imóvel.

Ser responsável é, mesmo preso a esses chicletes mutantes, ainda conseguir andar. E crescer, mais do que isso, é saber que não dá pra segurar o mundo com a mão, e ir deixando algumas coisas desnecessárias pelo caminho.

Muitas vezes já me apresentaram responsabilidades como um bicho de sete cabeças. Já me derem a entender que é preciso ser um super herói para conseguir viver uma vida responsável. Agora, o que ninguém diz é que o simples fato de fazer lição de casa já é uma responsabilidade. Insuportável às vezes, mas ainda uma responsabilidade.

As responsabilidades são como cachorrinhos. No começo são simples e pequenas. Mas depois, se não domá-las elas te engolem.