quarta-feira, 30 de setembro de 2015

A verdadeira adoração



Em toda a minha vida dentro da igreja, eu ouvi falar que precisamos adorar a Deus. Não uma ou duas vezes, mas todas as vezes que participava de um culto eu ouvia a palavra "adoração". Diziam que adorar é elogiar a Deus por aquilo que Ele é, e nisso comecei a enumerar os atributos de Deus citados e não citados na Bíblia, e começava a recitar enquanto eu orava. Era algo muito robotizado, como se eu estivesse lendo uma pauta.

Eu nunca estive convencida de que aquilo era mesmo adoração. Diziam-me que a adoração fazia bem à nossa alma, mas tudo o que eu sentia era enfado.

Certa vez eu estava tendo uma conversa casual com Deus (sentada na cama, mexendo em papéis, sozinha e conversando em voz alta). No meio da minha oração eu comecei a dizer que amava o jeito que Ele faz as coisas, que eu não faria melhor e que não fazia ideia do que faria caso Ele desistisse de mim. Estas foram as minhas palavras. O que percebi foi que, diferentemente das listas que eu fazia para dizer que Ele é quem Ele já sabe que é, desta vez eu estava dizendo para Ele coisas que eu descobri sobre Ele.

Eu não dizia que Ele é Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz. Essa é a adoração de Isaías. Eu não dizia que Ele é Glorioso, Soberano, Forte e Senhor dos Exércitos. Essa é a adoração de Moisés. Era assim que eles conheciam a Deus, mas eu não o conhecia assim.

O Deus que eu conheço é aquele que ouve desabafos, que enxuga lágrimas, que diz que vai ficar tudo bem. É aquele que me testa, que me pede para confiar e que me promete não me deixar. O Deus que eu conheço me trata como criança, entende meus sentimentos e molda meu coração. Esse é o Deus que eu conheço.

Talvez você não tenha se identificado com minha descrição, mas não se incomode com isso. Talvez Ele se revele a você de uma maneira diferente, talvez Ele te conte segredos que não conta a mim. Talvez Ele te ache mais forte e te trate de maneira mais dura, ou te veja como um pensador e não te dê as respostas logo de cara.

Não adiantaria você orar para Deus do mesmo jeito que eu oro. Não adiantaria você dizer que Ele é Santo se você nunca teve contato com essa santidade. Não adiantaria a mim dizer que Ele molda corações se Ele nunca tivesse moldado o meu.

Talvez você veja pessoas ao seu lado chorando ao sentir a presença de Deus e se sinta triste, mas não fique assim. Talvez você esteja muito centrado no relacionamento dEle com outras pessoas e tenha se esquecido do seu. Você foca no irmão que tem visões e se esquece da forma surpreendente que Deus te aconselha através da sua Palavra.

Jesus diz que os verdadeiros adoradores o adorarão em espírito e em verdade. Não em fingimento, mas em verdade. Não finja conhecer um Deus que aconselha quando na verdade você conhece um Deus que abraça.

Veja bem: Existe apenas um Deus.

Não existem trilhões de deuses espalhados por aí. O que existe é um Deus de graça que dá de graça a sua multiforme graça. A graça é o favor imerecido. Talvez Ele te favoreça de forma energética, talvez ele te favoreça em meio a sussurros. Talvez ele te favoreça através de versículos em sua Palavra, talvez ele te favoreça com semanas de estudo sobre um mesmo tema. Uma coisa é certa: Ele favorece a todos nós.

A graça é de graça. Quem quiser venha e tome da graça que Ele dá. Quem quiser faça bom proveito do favor imerecido que Ele nos oferece. Quem quiser conhecer o dono da graça, venha. Quem estiver disposto a conhecer um Deus pessoal, venha. Não queira conhecer a Deus do jeitinho que eu o conheço ou que seu pastor o conhece. Queira conhecer a Deus do jeitinho que Ele quer se revelar a você.

Se você estiver disposto a isso, uma certeza eu posso te dar: De seus lábios e de sua alma sairá a melhor adoração, uma poesia com as palavras mais sinceras.


Nenhum comentário:

Postar um comentário