quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Mundo Caótico



Dias corridos esses...

Tenho passado metade das horas do meu dia conectada e quando me dou conta já é hora de dormir para levantar cedo no outro dia, e de estudar para garantir um futuro. De novo.

Monótona essa vida...

Todos os dias tenho que fazer as mesmas coisas: lavar a louça, fazer as lições pendentes, pensar sobre a vida. Há quanto tempo não faço algo novo? Quando foi que a vida perdeu a graça?

Mundinho sem graça. Tão redondo que quando tento sair do lugar volto ao mesmo ponto e caio tonta. Poderia ser diferente, mas ele se recusa. Os dias insistem em passar como um relâmpago, a calma insiste em dar uma volta e as mesmas tarefas sempre voltam. E dia após dia estou eu lavando os pratos, preenchendo lacunas das apostilas, tentando encontrar um sentido para tudo isso.

Faz tempo que a vida não fica louca, ao ponto de as surpresas serem tantas que eu não tenho nem como recuperar o fôlego. Ela tem parecido um daqueles filmes que não param de passar nunca, e um daqueles chatos, que não dá pra entender nada.

Caos revestido por pele perdido num mundo que aparenta estar bem.

Sempre recorro ao Dono do mundo procurando respostas sobre isto ou aquilo. Todos os dias tenho um problema novo para contar no divã. Todas as vezes sinto que sua atenção é o bastante para aquietar minhas inquietações. Todos os dias a mesma coisa. Mas não dessa última vez.

Contei-lhe sobre minhas expectativas baixíssimas e sobre meu descontentamento em existir. Ofereci-lhe a sinceridade dizendo-lhe que não estou nada bem. Há tanto tempo estou assim, e há tanto tempo ele sabe disso. Só eu demorei para entender que a solução para a cura não seria fingir que nada acontecia, mas aceitar o fato de que não posso estar bem sempre.

Conforme falava, senti todo o meu mundo se desfazendo dando forma a um novo. O caos não aguentou a presença da Ordem. Desabrochando-se o novo mundo revelou um lugar secreto, onde só havia eu e Ele. Não havia cadernos nem esponjas. Não havia microfone ou multidão. Apenas um lugar onde poderíamos nos encontrar, um lugar em que só Ele tem a chave.

Meu mundinho caótico teve que esperar. Tive que deixá-lo sozinho com todas as obrigações do lado de fora, e reservar-me aos minutinhos que me revigorariam para encarar o caos outra vez. E toda as vezes que eu precisar, sei que ele estará lá. E lá estará a voz que me dirá para aguentar só mais um pouquinho.

Tudo o que eu queria era um cantinho de descanso, mas o que eu consegui foi muito maior: um mundão de paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário