segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Você Acredita?






Esses dias, assisti ao filme “Você Acredita? ”, que é produzido pelos mesmos criadores de “Deus Não Está Morto”.

Além de mim ter chorado do começo ao fim, e, tirando o fato de que assisti em um site pirata. Este filme me fez refletir, pois, desde seu título ao enredo, nos pega fazendo a mesma pergunta: “você acredita na cruz de Cristo? ”. A pergunta pode parecer ter uma resposta óbvia para alguns, duvidosa para outros, e, talvez relativa para muitos. Porém, se a resposta for um grande “SIM”, o quanto você acredita?

Acredita a ponto de arriscar sua família? Acredita ao ponto de renunciar seus sonhos? Acredita ao ponto de colocar em comprometimento sua carreira e status? Ou, melhor ainda, acredita ao ponto de entregar sua própria vida por isso?

Pode parecer algo extremista religioso. Porém, para acreditarmos verdadeiramente na cruz, precisamos ser extremistas, porém não extremista religioso. E sim, extremista no amor. Mas, será que estamos cumprindo este requisito?

A questão é, não existe um tanto para crer. Ou se crê plenamente, ou não se crê. Ou vivemos, ou morremos. É uma escolha decisiva.

E, quando nós escolhemos viver? Será que escolhemos de verdade e definitivamente?
Crer na cruz não é só ser bonzinho com os outros, fazer caridade e ir para o céu. Não é só pedir a Deus o emprego dos seus sonhos e ser feliz com seu salário maravilhoso. Não é só ser elogiado por sua linda voz quando cantou aquele louvor. Ou quando fez aquela pregação que tocou o coração de muitos.

Não estou dizendo que há algo de errado nos fatores acima, exceto se isso é usado para aumentar o seu ego. Você pode sim ser caridoso, tem um emprego dos sonhos, usar seus dons seja cantar, pregar ou orar.

Porém, e, se nós estivermos nos prendendo somente em obras? E esquecendo do objetivo da cruz? As obras servem para deixar a fé mais forte, para demonstrarmos que nós a temos, porém, uma não deve ultrapassar a outra, andam juntas, são melhores amigas. A fé sem obra é morta, e as obras sozinhas não significam fé.

Crer na cruz é, não ter medo de ser chamado de louco por quem você mais ama. Crer na cruz é esquecer de si, colocando o conforto de outros acima dos seus. É, acima de tudo ser feliz, e, se preocupar com a felicidade dos outros fazendo de tudo para que saibam da mensagem de perdão que esta possui. É orar, ler, refletir e praticar. É amar independentemente de como as pessoas são, sem exceção.

Talvez não estejamos crendo como professamos crer. Deveríamos nos preocupar em ressaltar que o perdão da cruz de Cristo é para todos, T-O-D-O-S. Mas nós mesmos não entendemos que é para nós também.

Que nossa fé não sejam hinos tocantes ou pregações extraordinárias. Que, nesses dias de desespero, a fé seja uma mensagem de paz.


“Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos. - Hebreus 11:1








Assinado: Isa

2 comentários: