quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Sem morte não há vida



"Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto."
- João 12.24 - JFA

Viver nesse mundo está cada vez mais difícil, e cada vez mais queremos nos proteger das crises e do sofrimento. Nós nos escondemos para garantir segurança. Nós guardamos nossa vida num cofre a sete chaves. Você, assim como eu, deve ter percebido que essa tática não trás tantos resultados, pois todos estão buscando suficiência em si mesmos, mas ninguém consegue alcançá-la. Não vemos além do que nossos olhos conseguem alcançar, somos limitados, continuamos buscando algo que não podemos encontrar sozinhos.

Se cada um de nós entendesse que não dá para se viver sozinho, talvez nós parássemos para olhar mais para os outros. E se olhássemos, perceberíamos o quão grande é a dor das pessoas que nos rodeiam. Parece que trancar a faculdade por não ter condições já não é nada comparado a se deparar com uma solidão profunda, a ponto de se mutilar. As poucas peças em um guarda-roupa já não incomodam tanto quanto viver com a pureza arrancada do corpo e da alma.

Todos precisam de cura. E nós somos a cura que o mundo precisa.

Somos o consolo para a mente traumatizada, somos a companhia para vítimas de abandono, somos mantenedores de quem já não tem mais lar. Somos a cura dessa nação. Compreende o que quero dizer com isso? Será que você pode escrever em meio as sua convicções e grifar com marcador de texto "EU SOU A CURA DESSA NAÇÃO"?

Não, eu não estou exagerando, muito menos brincando. Você pode sim curar. Você pode sim confortar. Você pode sim mudar o mundo. Mas, como para todo bom projeto, há um preço que precisa ser pago: Você precisa morrer.

Não necessariamente a morte física. Pode ser que seja necessário, mas em todos os casos, a morte dos interesses. Você precisa se matar diariamente para que de sua morte saia vida, como uma semente, que precisa morrer para que uma árvore nasça. É preciso que a ela se desfaça para que possa dar frutos, e para que seus frutos possam servir para saciar a fome de quem encontrá-la.

Rodolfo Abrantes, em uma de suas músicas, diz: "Que das minhas feridas saia poder pra curar". Você deve estar se perguntando como é que uma ferida pode curar. Talvez seja algo totalmente sem importância para você, talvez você não perceba que curou. Sabe a sua dor? Sim, sim, aquela bem antiga, que você até superou. Mais cedo ou mais tarde você encontrará (isto se já não tiver encontrado) uma pessoa passando pela mesma situação que você passou. E você poderá contar, sinceramente, sobre todas as suas lágrimas, suas dores, seus erros. Sobre sua vontade de parar, sobre seu medo de prosseguir, sobre como você tantas vezes pensou em desistir, mas que não cedeu ao conforto. Conte sobre como você foi imprudente ao dizer o que não deveria ter dito. E mais do que contar tudo isso, esteja lá.

Esteja lá quando aquela pessoa fizer exatamente o que você disse para ela não fazer. Não diga "eu te avisei" para ela, mas esteja disposto a abraçá-la e convencê-la de que vai passar. Esteja lá quando todos duvidarem de um sonho, apontarem um defeito. Quando todos disserem que ela é culpada de tudo, defenda. Não fuja só porque sua reputação está em risco. Veja bem, você tem uma reputação, você tem pessoas que se importam com você, e Deus tem um projeto para você! Você consegue ver isso? Percebe que Deus tem um plano muito maior para você do que subir em púlpitos, pegar em microfones e viajar com uma Bíblia debaixo do braço? Ele quer te usar aí, onde você está! Ele quer que você se sacrifique, e que o sangue possa servir como esperança. Que a sua morte seja celebrada por todos que tiverem conhecimento sobre tal. Que sua renúncia seja anunciada pelos quatro cantos, que nos chamem de loucos, alienados e fanáticos, sim!

Esse mundo prega o egoísmo sem nem disfarçar. É extremamente normal ignorarmos a situação que está ao nosso redor. É difícil, sim, vivermos em prol de outra pessoa, mas posso te garantir: é a melhor coisa.

Não se preocupe com quem cuidará de você. Talvez você pense que se cuidar dos outros estará sem cuidados, mas não pense uma coisa dessas. Enquanto você cuida dos outros, renuncia a si mesmo, desenterra todas as suas lembranças ruins de um lugar que você nunca mais gostaria de tocar, só para mostrar que a esperança ainda vive, você está se parecendo mais com Cristo, está cumprindo a missão de levar um Evangelho que não olha para o que a pessoa fez, mas que visa uma mudança radical de ideais e caráter. E quando faz isso, não precisa se preocupar com morrer de fome por deixar de trabalhar para viver da obra, ou em se sentir mal por não ter tempo para pensar em si. Quando você vive para Ele, Ele vive para você.

Cumpra sua missão, aceite o seu chamado. Deixe de viver para você, não vale a pena. Há gente que precisa do sua atenção, de seu toque de amor, de suas palavras cativantes. Há gente que precisa de você, há gente que precisa de mim. O mundo já está cheio de gente que só pensa em si, que vive para si, não seja mais um. Todos os dias um monte de gente decide que os outros não valem a pena, muita gente mesmo. Se quiser ser lembrado por algo além de "todo mundo", faça diferente.

É inútil viver sem gerar vida, pois daqui partiremos para a morte, e quando esse dia chegar, qual será o nosso legado?

"Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem, neste mundo, aborrece a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna."
- João 12.25 - JFA

Nenhum comentário:

Postar um comentário