segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

O que tem na minha mochila para 2016



E aí galera! Como é que vocês estão?

Hoje vocês vão ver tudo o que eu vou levar pra escolinha esse ano :3 (Sim, escolinha, com direito a hora do lanchinho). Senta que o post vai ser grande...

Dizem que a gente aprende com os erros, e olha que eu errei feio com os materiais do primeiro ano. Mas vamos aprender com os erros, porque os erros tem que servir pra isso pelo menos. Eu vou mostrar pra vocês mais ou menos o que eu vou levar pra escola nesse ano, mas antes uma breve introdução.

Quando eu saí do ensino fundamental, eu não tinha ideia de como as coisas mudariam. Eu não falo das aulas - porque elas são quase do mesmo jeito -, mas justamente dos materiais. O meu material no ensino fundamental era um caderno de dez matérias, um de desenho, canetas, lápis, borracha, apontador, lápis de cor, tesoura, cola e os livros. E foi praticamente esse material que eu usei no ano passado, mas não deu muito certo. Por isso fiz minha listinha de prós e contras e comprei materiais novos, cacei umas coisas antigas, e deu nisso aí que eu vou mostrar pra vocês.


Essa é uma mochila que a minha mãe fez para mim, e cabe praticamente o universo dentro dela. Ela é feita de jeans por ser um material resistente e dá pra carregar bastante peso com ela. Ah, e ela foi a inspiração para o logo do Papo de Estudante.


Essa é uma pasta sanfonada com doze divisórias. Ela serve para guardar os trabalhos e atividades (desde o início do ano) e algumas coisas que eu vou precisar usar todas as aulas, como o horário e a tabela periódica para as aulas de química. Eu não nomeei as abas, mas coloquei números, isso porque não são todas as matérias que vão precisar de uma divisória e eu pretendo usar para outros fins além da escola, e no ano que vem também. Você consegue encontrar uma nessa nas papelarias da vida com a média de preço entre R$ 12,00 e R$ 16,00.


Isso, povo meu, são meus cadernos - até porque ninguém sabe o que é um caderno. Ano passado eu separei duas matérias para cada disciplina, e sabe no que deu? Três cadernos de dez matérias, com seis matérias sobrando. Tinha dias que eu tinha que levar os três mais uns três ou quatro livros didáticos, e eu chegava em casa morrendo de dor nas costas. E além disso só três disciplinas usaram as duas matérias que eu deixei - na minha terra isso é ingratidão (u.u). Nesse ano eu só vou levar um caderno de dez matérias e vou trocar no segundo semestre, porque ninguém merece carregar peso à toa. Ah, e eu não compro cadernos. Eu uso o que o Estado fornece mesmo e gasto meu dinheiro com comida.


Grande parte do meu sofrimento durante o primeiro ano foi porque tinha dez lições de casa para fazer e eu só lembrava de sete - e misteriosamente nunca me lembrava das de química. Com essa agenda, num mundo ideal que só existe na minha cabeça, eu nunca mais vou me esquecer de nada que tem para fazer! A questão é que esse é o primeiro ano que eu uso agenda, então não sei como esse treco funciona, então no final do ano eu digo se ela serviu pra salvar minha pele. Essa eu comprei no Submarino, na faixa de R$ 30.00.


Lápis de escrever, caneta, borracha e apontador nem preciso comentar. A caneta colorida é a minha linda do meu coração para a anotação nossa de cada dia. Eu não tenho uma regra tipo "rosa só para citações", "azul só para indicações de leitura" e tal. É tudo junto e misturado, mas no final acaba fazendo sentido. Só faz sentido pra mim, mas faz. Os lápis de cor eu uso nas aulas de arte - obviamente - e nas de matemática, por causa dos gráficos e tal.


Grampeador e tesoura são uma dupla inseparável. A tesoura é para tirar aquelas rebarbinhas chatas das folhas de caderno. Tem professores que devolvem quando a gente entrega com rebarba, outros tiram um ponto, então é sempre bom andar com a nossa amiguinha tesourinha na mochila, né? O grampeador é tanto para os trabalhos quanto para aquelas atividades ou provas que usam mais de uma folha. A gente praticamente não usa cola, então é tudo na base do grampeador mesmo.


No meu bloquinho de notas eu geralmente coloco só a grade de horários, e às vezes eu coloco o prazo de algum trabalho importante ou projeto, daqueles que mobiliza a escola toda. As notas autoadesivas (conhecidas como Post-its, mas esses não são dessa marca) eu uso mais para lembrar das páginas das apostilas. Geralmente eu coloco na parte de cima da página e dobro para o outro lado, assim dá para ver mesmo com a apostila fechada. Também uso para colocar coisas que eu devo lembrar mas que depois posso esquecer pra sempre, tipo reunião de pais, pegar uns papéis na secretaria e essas coisas.


Ah, calculadora... Minha querida calculadora... No ensino fundamental, ela era praticamente banida, exceto nos raros casos em que tínhamos que fazer umas contas de circunferência. Eu não uso nas aulas de matemática, só nas de química e física. Eu até posso usar nas aulas de matemática, mas não nas provas, então procuro resolver os exercícios sem a ajuda da nossa amiguinha. Mas nas aulas de química e física é recomendável que se use a calculadora para fazer as provas e atividades valendo nota. O meu amiguinho pendrive não é tão usado, mas sempre está comigo. Eu geralmente uso quando está rolando algum projeto para apresentar para a escola toda, ou então quando tem um seminário com apresentação de slides.



E por último, mas de maneira nenhuma menos importante, meu super estojo! Minha mãe também fez este, mas eu provavelmente vou usar um menor também só para as canetas e lápis. Nele eu carrego tudo o que eu já mostrei, menos a agenda, os cadernos e a pasta. Estes outros não são materiais, mas eu também levo todos os dias. São minha bombinhas que eu uso nas aulas de educação física, a capinha dos meus óculos, que guardo também nas aulas de educação física. E a chave de casa, que serve para... Bem, vocês já sabem.

É isso galerinha!
Esse post ficou bem maior do que eu esperava .-.

Espero que vocês tenham gostado, aproveitem o fim das férias
e até mais! o/





Nenhum comentário:

Postar um comentário