quarta-feira, 25 de maio de 2016

Amar a si mesmo



"Amarás[...] ao teu próximo como a ti mesmo."
Lucas 10.27

No nosso último texto falamos sobre a importância de amar a Deus. Sabemos também como é importante amar o próximo. Mas... e amar a si mesmo? Quando a gente fala disso, pensamos logo de um lado negativo. Afinal, amar a si mesmo é ruim, não é? NÃO, NÃO É!

O amor próprio é como um tabu no meio cristão. É de impressionar quando ouvimos alguém dizer: "Ame a si mesmo". Eu sei que a Bíblia diz para nós tratarmos os outros como se fossem superiores a nós, e que Deus reprova os soberbos, mas você leu o versículo lá no início do post? Jesus nos disse para amar ao nosso próximo como a nós mesmos. Agora me diz: Como eu vou amar o meu próximo como a mim mesmo se eu não me amo?

O amor próprio é tão importante quanto o amor fraternal. Se eu amo o meu próximo mas não me amo eu não estou cumprindo o mandamento, pois Cristo nos diz para amarmos o nosso próximo como a nós mesmos. Ele não diz para amarmos mais ou menos do que amamos a nós mesmos, mas na mesma proporção.

A baixa autoestima é como um monstro que vai achegando-se a nós, bem pequenininha, e vai crescendo quando não tratamos dela. Não ignore esse monstro. Não diga que não é nada. Reconheça que esse monstro existe e lute contra ele! Isso é amar a si mesmo. E amar os próximo é não ajudar esses monstros crescerem dentro de outras pessoas (em outras palavras, nada de ficar aloprando os amiguinhos pelo que fazem ou por quem são).

Há pouco tempo atrás, eu estava com alguns pensamentos negativos sobre mim. Eu pensava: "Cara, eu não sou normal. Sou diferente de todo mundo, não me encaixo em nenhum grupo, eu acredito em tal coisa, tenho tais gostos, ouço tal tipo de música. Eu sou muito estranha". Então me coloquei diante do espelho e concluí: "Espera. Eu não sou estranha. Eu sou incrível! Não é ruim eu ser diferente da maioria das pessoas que conheço. Isso só significa o quão especial eu sou. Onde alguém encontraria outra pessoa com as mesmas características que eu tenho?".

Será que hoje você consegue olhar diante do espelho e dizer: "Eu sou incrível"? E será que você está disposto, depois disso, de olhar para dentro de si e compreender a sua carência pela misericórdia de Deus, pois ele é o único que pode te ajudar a consertar essas falhas que você tem aí dentro?

Cara, para de pensar que você não é nada! Você é muito importante. Foi por você que Jesus morreu naquela cruz! É por você que Ele intercede ao Pai para que tenha misericórdia. Em meio a tantas tarefas, Deus ainda tem um tempo para ouvir o que você tem a dizer e para atender o seu pedido de ajuda.

Não há como amar o próximo sem amar a si mesmo. Por isso, deixa esse complexo de inferioridade de lado, e olha pra Cristo. Somente nele você encontrará o equilíbrio entre não se odiar e não se ensoberbecer. Ele viu você quando você ainda era um embrião ainda informe, e formou você com as Suas próprias mãos! Ele te fez à semelhança dele, e ainda te chama de filho! Cara, você não qualquer um, isso eu posso te garantir.

Ele já te amou primeiro. Agora, ame-se!

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Amar a Deus



"[...] Amarás ao Senhor, teu Deus,
de todo o teu coração,
e de toda a tua alma,
e de todas as tuas forças,
e de todo o teu entendimento
[...]"
Lucas 10.27

Não é novidade para ninguém dizer que todo o discurso de Cristo se resume a "Amai a Deus acima de todas as coisas, e ao teu próximo como a ti mesmo". Na verdade é tão clichê que, por muitas vezes, acabamos deixando passar batido o real significado destas palavras. Olhando para a minha vida, percebi que simpatizei bastante com a parte de amar ao próximo, mas que estava profundamente distante de amar a Deus plenamente.

Nas próprias palavras de Jesus, temos detalhadamente as instruções para amar a Deus. E é sobre a forma que Ele quer que o amemos que eu quero conversar com vocês hoje.

  • Amar a Deus de todo o nosso coração
Quando falamos em coração, automaticamente ligamos esta palavra ao sentir. Quando perdemos alguém importante, sentimos aquele aperto no coração. Quando estamos em uma situação tensa, sentimos o nosso coração na boca. Quando estamos ansiosos, sentimos o nosso coração palpitar. E quando nos encontramos com Deus? Por que não atribuímos tanto sentimento quando se trata dEle?

Nós colocamos na cabeça que nós precisamos orar todos os dias, e ler a Bíblia também. Jejum pelo menos uma vez por semana, é o que nos dizem. E quando nossas cabecinhas estão cheias dessa regra, nós perdemos uma das coisas que mais bota um sorriso no rosto de Deus: a espontaneidade.

Não sentimos mais. Nem temos mais tempo pra isso! Como vamos amar a Deus de todo o nosso coração se quando vamos falar com Ele agimos como se nem tivéssemos coração?!

O coração também está ligado à vontade, ao querer. Amar a Deus de todo o coração também é desejar estar perto dEle, e não fazer isso apenas como uma mera obrigação, como forma de bater cartão e não ficar "em dívida com Deus".

  • Amar a Deus de toda a nossa alma
No Salmo 42, o salmista compara sua alma como um cervo que almeja a corrente das águas. Era dessa forma que ele ansiava encontrar com o Senhor. Como se toda a sua existência dependesse disso. E é dessa forma que Cristo nos aconselha a amar a Deus.

Eu ouvi uma pregação no ano passado, cujo tema era "Buscando a presença de Deus como necessidade, não como desejo". O desejo passa, ninguém morre quando não tem um desejo realizado. Diferentemente da necessidade, que garante a sobrevivência de uma pessoa.

Certa vez eu estava conversando com alguém que me disse: "Eu não busco a Deus porque eu quero. Eu busco porque eu preciso". E essas palavras não soaram como "só faço por obrigação", mas como "se eu não buscá-lo, eu morro"!

Você já parou para pensar em como está a sua alma?

Por esses dias eu tenho percebido que buscar a Deus é uma necessidade, porque eu entendi que Ele é o único que pode vivificar a minha alma. Quando passamos a buscá-lo porque entendemos que só Ele é quem pode nos dar vida, e que sem Ele não somos nada, e deixamos de nos importar tanto com o que Ele pode nos dar, mas focamos no que Ele já fez, e concluímos que tudo isso foi muito além de Sua "obrigação" (se é que podemos chamar assim), então sim, estamos amando a Deus de toda a nossa alma.

  • Amar a Deus de todas as nossas forças
Quando eu penso em força, eu me lembro do dia em que fui no Centro para comprar tecidos com a minha mãe. No fim do dia, definitivamente, eu não saberia nem de longe o que era ter força. Cheguei em casa totalmente acabada, desgastada, pedindo cama. Sem uma gota de energia.

Também me lembro da época em que havia um processo seletivo para uma competição de atletismo na escola, que eu gostaria muito de ser classificada. Eu não pensava em como minhas pernas doeriam no final do dia ou se eu sentiria muita falta de ar depois de correr. Eu só queria ganhar, e faria o que fosse preciso para isso.

Amar a Deus com todas as nossas forças é mais ou menos isso. Nós estamos cansados, mas vamos com nossos restinho de energia buscá-lo. Nós queremos muito fazer alguma coisa, mas queremos muito mais estar com Ele. Arregaçamos as mangas só para agradá-lo. Lutamos bravamente contra a nossa carne só para que os frutos do espírito se sobressaiam, a fim de divulgar a glória dEle.

  • Amar a Deus de todo o nosso entendimento
Não é de hoje que o Evangelho tem sido banalizado, de forma que tudo o que vemos é uma onda de movimento sem transformação. Tanto para o lado do movimento propriamente dito, quanto para o do sentimentalismo. E, infelizmente, temos nos esquecido de apresentar o nosso culto racional. Nos esquecemos que Deus vê além do que o homem vê, e que não adianta nada se não houver sinceridade.

Precisamos ter consciência do que pretendemos entregar para Deus. Que nossas ações não sejam embasadas no fato de que todos estão fazendo. Que venhamos verdadeiramente apresentar os nossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o nosso culto racional (cf. Rm 12.1).



Amar a Deus é realmente um desafio, mas quando eu me lembro do desafio que Ele teve que encarar por nós, concluo que talvez não seja a coisa mais difícil do mundo.

É isso galera!
Tamo junto nessa caminhada,
deixando as coisas que para trás ficam
e prosseguindo para as que estão diante de nós.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Você se corta?


E aí galera, como é que vocês estão?
Hoje eu quero tratar com vocês de um assunto muito sério, e que nem sempre tratamos com a devida importância: Automutilação.

Antes de tudo, se você não passa por isso, entenda: Isso não é frescura. Isso não é falta do que fazer. E dizer: "Pare de fazer isso" não fará com que a pessoa pare.

No post de hoje, eu quero deixar dois vídeos para vocês assistirem.

Esse primeiro vai falar diretamente com você que se corta. Não precisa ficar com um pé atrás para assistir, não. Em momento algum a intenção dessa moça do vídeo é te julgar ou dizer que você está errado e ponto final. Vale a pena sentar para ouvir o que ela tem a dizer.




E esse é para você que decidiu parar com a automutilação, mas que não tem conseguido.



Eu realmente espero que esse post tenha te ajudado. Caso queira conversar, você pode enviar uma mensagem na abinha de contato ou na página do blog. Qualquer problema, saiba que tamo junto! E mais do que isso, saiba que Jesus te ama muito, e que você pode contar tudo pra Ele. E pode ter certeza que ele não vai dizer para você deixar disso, tomar vergonha na cara ou ser forte. Ele vai te escutar, vai ficar contigo até o fim e ainda vai te ajudar a superar essa fase.

E você, familiar ou amigo de uma pessoa que se corta, não julgue, por favor. Você tem suas dores, e ele tem as dele. Ajude em tudo que puder, dê apoio, e mostre que independentemente das cicatrizes que essa pessoa carrega, você ainda a ama.

É isso galera,
fiquem com Deus
e até a próxima!

sábado, 7 de maio de 2016

Depressão



Saúde, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) é o bem estar bio-psico-socio-cultural, declínio dessas áreas são considerados enfermidade

A depressão, ao contrário da opinião popular, não é “frescura” ou “doença de rico”, mas um estado de tristeza patológica¹. “É considerada uma síndrome maníaco depressivo. Essa doença atinge cerca de 0,5% da população mundial. É considerada uma patologia que evolui por fases”. ²

O indivíduo chega nessa situação, normalmente por um acontecimento traumático, perda familiar, desemprego. Perdas, injustiças e indecisões são os fatores que originam a depressão.

Algumas alterações neurais ocorrem no cérebro do depressivo. “Os neurotransmissores (noradrenalina, serotonina e dopamina) permitem a comunicação entre as principais células nervosas – os neurônios – sendo a ausência desses neurotransmissores que causa a depressão.” ³

“A noradrenalina é o neurotransmissor liberado pelos nossos neurônios, que mais influencia o nosso humor, felicidade, prazer, entusiasmo, autoconfiança e estado de alerta. Outro importante neurotransmissor é a serotonina, que também interfere com alguns sintomas emocionais como o humor, sono, apetite e funções intelectuais”4. Existem anti-depressivos farmacológicos que podem auxiliar na estabilidade dos neurotransmissores.

É caracterizado pela a ausência total da motivação na vida. Existem encarcerados que cumprem a pena com bom ânimo por existir um incentivo posterior ao cárcere, por exemplo: filhos, família, projetos, etc.

Existem níveis de depressão, de tristeza podendo chegar ao desespero; vontade/ação inibida, podendo chegar a total inércia; perda de apetite; pessimista nas interpretações do passado, presente e futuro; obstipação intestinal (prisão de ventre); insônia (ou excesso de sono, devido ao desregulação da serotonina, que regulariza o sono); sente-se pior pela manhã e melhor a noite; sente-se fatigado e com certa preguiça, astênico, cansado com indisposição para tudo; intenso sentimento de culpa, perda e impotência diante das situações; lentidão psíquica, fazendo com que o tempo demore muito para passar e que cada segundo tenha a intensidade de 24 horas de desprazer, levando o indivíduo ao isolamento em relação às pessoas e situações; risco maior e por vezes desejo de suicídio.

A dificuldade de tratar de alguém com depressão ou de ser tratado, concernente à metodologia, à fórmula e à abordagem, acabam tornando-se um grande tabu para leigos e até mesmo alguns profissionais da área da psicopatologia. Vejamos como Deus tratou da depressão de Elias, história essa contida nas Escrituras Sagradas no Antigo Testamento de I Reis cap. 19.

O que levou Elias à depressão? Um renomado profeta de Deus, homem destemido, na qual sempre teve como característica a ousadia e coragem.

O início de sua depressão foi o que chamamos de efeito “rebote”, após grande conquista no monte Carmelo triunfando sobre os profetas de Baal, os altos níveis de euforia podem culminar a quedas abruptas de ânimo. Uma palavra de ameaça da rainha Jezabel (v 2), fez com que Elias se afastasse do seu ofício. A ansiedade e o medo se apoderam do profeta, de maneira que deixa o seu servo (v 3), e isolando-se no deserto, não querendo ver ninguém, saiu sem rumo ou meta alguma. O desânimo e a falta de incentivo é tamanha que pede para si a morte (v 4); nãoo têm mais interesse algum em continuar vivendo. A autocomiseração é marcante no discurso de Elias (v 4): ele deita e dorme (v 5), um ser totalmente abúlico, sem perspectiva alguma e expressamente inerte. Um anjo toca em Elias e ordena para ele levantar e comer. Já que a pessoa nesse estado não possui apetite, o tratamento de Deus é cuidar primeiro do físico para que a depressão não torne algo psicossomático 5, o Senhor vai tratando dos danos causados ou que podem causar mais problemas para a saúde do profeta.

Elias sai dali e entra numa caverna, lugar escuro e solitário, longe de tudo e todos... Canto perfeito para um deprimido (v 8). Deus pergunta: “O que fazes aí, Elias?” (Tratamento nutricionismo havia sido feito, agora o tratamento psicológico) (v 9), deixa Elias expressar o que está acontecendo, antes de censurá-lo. Seu discurso é de alguém com um profundo sentimento de culpa (v 10) e individualista, alheio a percepção a outras pessoas (v 18), mas curtindo somente sua dor da injustiça do episódio passado. Deus diz para Elias sair daquela caverna; nada fazia ele sair; as manifestações naturais não chamavam a atenção. Às vezes vociferamos com força e violência de um terremoto, querendo quebrar a penha do coração endurecido (v 11), buscando atrair a obediência do enfermo, mas a voz mansa, delicada e compassiva do Senhor trouxe Elias para fora. Que maravilha!

Deus poderia estar em todos os lugares, mas esteve preocupado com Elias. Teve paciência com o profeta... Não desistiu dele!

O Senhor agora coloca sentido na vida de Elias, mostrando que ele continuava sendo útil, que nada havia terminado, que existia ainda 7 mil (v 18) padecendo as mesmas dores, mas não se entregando a elas. Clareia o horizonte, dizendo que grande é a sua caminhada, mostrando que a história dele não terminava ali, naquela caverna.

Agora Deus restaura a vida social do profeta: para andar lado à lado com Elias, o Senhor providencia Eliseu, pois Deus sabe que somos seres sociais e que dependemos de pessoas para vivermos.

Por uma ameaça, apenas uma ameaça colocou Elias para vala comum social, Deus não subestimou a intensidade da dor ou a fragilidade do homem Elias de desesperar-se por algo “tão pequeno”. não menospreze jamais o problema, pois Elias foi sujeito as mesmas paixões que nós (Tg 5:17).

Elias posteriormente encontra-se com o seu pior pesadelo: Acabe e Jezabel (monarquia de Israel). Não há mais dor, medo, desespero... Elias, agora restaurado da depressão, marca a cultura judaico-cristã como um dos maiores profetas de todos os tempos!


Bruno Assis
-----------------------------------------------------

1 phatos = paixão/sofrimento/doença, logos = lógica/conhecimento
2  CECÍLIA, Ana TRIPACCHIO Adalberto “A filosofia Clínica e as Psicoterápicas enomenológicas” - 2000
3 PÓVOA, Helion. CALLEGARO, Juarez. AYER, Luciana. Nutrição Cerebral
4 Idem
5 Soma de outros fatores patológicos que são desencadeados

quarta-feira, 4 de maio de 2016

A chave da espera em Deus



Num dia desses eu estava almoçando no refeitório, pensando na vida. Um dos pensamentos em pauta era sobre esperar em Deus. De um momento ao outro, meus devaneios se tornaram uma oração:

"Senhor, eu percebi que Tu és tudo o que eu preciso".

Antes de chegar a esta conclusão, eu pensava sobre como é difícil esperar e resistir às tentações. Esperar em Deus é praticamente comprar a rejeição de uma grande parte das pessoas que conhecemos; é colocar nossas vontades intensas no bolso só para agradá-lo! Mas no fim das contas, não é a opinião dos meus conhecidos que vale, e nem a minha. Eles podem me abandonar e me decepcionar, e eu também. Mas Ele é o único que nunca me fará mal algum, nem que seja sem querer.

No último texto que escrevi sobre esperar em Deus, eu disse que Deus é a chave da espera. Estou aqui só para reforçar.

Quando estamos cheios de nós mesmos, não há espaço para Deus agir, mas quando Deus é tudo em nós, não temos tempo nem espaço no coração para andarmos ansiosos à procura de um rapaz ou moça.

Deixe que Ele seja o centro da sua vida. Deixe-O trocar seu fardo pesado de encontrar alguém por um leve de confiar nele. Deixe que Ele ocupe este lugar que você está reservando para alguém especial, e Ele será para você a pessoa mais especial que você nunca viu. Firme seus pés sobre a Rocha, e não se deixe levar por qualquer onda de paixão.

Diga pra Ele:

Oh Senhor, seja tudo em mim
Seja tudo em mim
Doce Cristo, seja tudo em mim
Que eu não queira nada além de Ti
Tu és, Tu és tudo em mim
Em tempos de dor, de medo ou de paz¹

Dentro ou fora de um relacionamento, quando as coisas estiverem bem e quando estiverem mal, Ele sempre estará aí pertinho de você. Não troque a presença desse Deus maravilhoso por sua carência temporariamente suprida. Em um retiro espiritual eu ouvi uma frase que me marcou bastante, e quero repetir para você: Não despreze o meu Jesus.

Ele deixou o céu por você, sofreu por você, derramou Seu sangue por você. Não despreze o meu Jesus. Tire da cabeça que ter um relacionamento bem sucedido é zerar a vida. Não é dessa forma. Não despreze o meu Jesus. Mesmo em um relacionamento bem sucedido haverá momentos de conflito, e mesmo nesses momentos Ele estará contigo. Portanto, mesmo que tudo dê errado, mesmo que tudo ocorra esplendidamente bem, não despreze o meu Jesus.

Nele você encontra forças para continuar lutando. Ele te ajuda a continuar esperando. Se você deseja esperar em Deus sem deixar que Ele tome as rédeas da sua vida, desculpe a expressão, mas você está planejando construir um castelo com o projeto de uma ruína nas mãos.

Talvez Ele ainda não tenha sido o primeiro na sua vida, mas ainda dá tempo!

Chama Ele pra ser o seu tudo!



Seja tudo em mim
Francine Veríssimo


-----------------
Notas

¹ Trecho da música "Seja tudo em mim" de Francine Veríssimo, autora do blog Graça em Flor