segunda-feira, 27 de junho de 2016

O que eu aprendi com Deuteronômio 2



A terra que o Senhor prometeu ao povo de Israel era uma terra a ser conquistada, em outras palavras, não seria apenas chegar no lugar e aproveitar tudo sem qualquer esforço. Eles precisariam lutar para conquistar a terra que o Senhor prometeu, mas nesse capítulo não aprendo pelo que lutar, mas sim pelo que não lutar. A lição que aprendi com o segundo capítulo desse livro é: Não lute por aquilo que não vale a pena.

O Senhor fez o povo passar por Seir, mas disse para que não arrumassem briga com os moradores, pois aquela terra havia sido separada aos descendentes de Esaú. O mesmo aconteceu quando passaram por Ar, que era a terra dos descendentes de Ló. Enquanto o povo passava por estes lugares, o Senhor dizia: "Ainda não é essa a terra que te darei por herança".

Às vezes o Senhor nos permite conhecer alguns caminhos, porém não são estes os planos de Deus a longo prazo para nós. As terras de Seir e Ar eram apenas caminho para a terra prometida, e tudo o que conhecemos aqui é apenas uma preparação para a terra que Ele nos prometeu - que é o Céu!

Talvez se o povo de Israel tivesse se empenhado em conquistar as terras que apareceram no meio do caminho, eles não chegassem à terra prometida. E já pensou se, por alguma coisa que nos chama a atenção aqui, nos percamos a nossa salvação?

Quando Paulo escreve sua segunda carta a Timóteo, ele diz que "ninguém se milita se embaraça com as coisas dessa vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra" (2 Tm 2.4). Precisamos colocar na nossa cabecinha que não vale a pena conquistar o mundo todo e perder nossa alma. Não podemos lutar pelo que não vale a pena.

Não vale a pena vencer uma discussão ou ser bem sucedido se isso nos afastar da terra prometida. Não vale a pena aparecer em todos os jornais e no feed de notícias do facebook de todo mundo se o Criador do mundo não nos conhece. Não vale a pena conquistar com êxito uma terra que saciará o nosso desejo de conhecer a terra que mana leite e mel!

Se sabemos pelo que não vale a pena lutar, compreendemos que temos por obrigação lutar pelo que vale a pena. A Palavra de Deus nos diz que o Reino dos céus é tomado a força (Mt 11.12), e não podemos esperar quietinhos e sentados o Reino chegar até nós. É tempo de arregaçar as mangas, negar a nós mesmos, tomar a nossa cruz, e seguir a Cristo no caminho que nos leva até o Pai.

Tem coisas aqui que nós penamos para renunciar, mas o que é melhor: uma eternidade ao lado do Cordeiro ou oitenta anos de conforto? Se vale a pena conquistar, também vale a pena lutar. Se até Jesus teve que renunciar seu conforto e sua vontade para realizar seu propósito, que dirá nós.

E dá ordem ao povo dizendo: Passareis pelos termos de vossos irmãos, os filhos de Esaú, que habitam em Seir; e eles terão medo de vós, porém guardai-vos bem. Não vos entremetais com eles, porque vos não darei a sua terra, nem ainda a pisada da planta de um pé; porquanto a Esaú tenho dado a montanha de Seir por herança. Comprareis deles, por dinheiro, comida para comerdes; e também água para beber deles comprareis por dinheiro. Pois o Senhor, teu Deus, te abençoou em toda obra das tuas mãos; ele sabe que andas por este grande deserto; estes quarenta anos o Senhor, teu Deus, esteve contigo; coisa nenhuma te faltou. (Deuteronômio 2.4-7)

Nenhum comentário:

Postar um comentário