sexta-feira, 8 de julho de 2016

Gratidão



Um Deus que acalmou as minhas tempestades,
me convidou a ninar no banco de trás.
Com santidade que não toca impureza
decidiu amar o pior dos mortais.

Ele viu
além da teimosia e do medo
um coração a ser transformado.
Veio quebrando,
barreira por barreira
e com graça e poder pediu-me meu precioso bem.

Um Deus com poder de me fazer conhecer o mundo
tem poder pra me levar a conhecer corações.
E se, em minha ignorância, eu despedaçá-los,
é misericordioso o bastante para remontar os pedaços.

Ele chegou
e sem eu perceber mudou os móveis de lugar.
Só me dei conta quando me pediu para os pés levantar
para passar o aspirador de pó.

Um Deus que criou todo o universo
senta à beira da minha cama todas as manhãs.
Não me faz sorrir quando a vontade é chorar
mas é insistente ao me pedir para nele confiar.

Ele me tocou
a alma, os ossos, pensamentos, coração
apenas com sua voz como de trovão
que me pedia para tudo entregar.

Um Deus atarefado em fazer o mundo girar
chamou a criança que estava a brincar,
tomou de suas mãos o tesouro de cristal
e colocou em sua prateleira, em segurança.

Ele fez
muito mais do que eu esperava
muito além do que prometeu.
E eu,
incontestavelmente grata
me achegou aos seus pés
e pergunto:
Que queres de mim?


Nenhum comentário:

Postar um comentário