sábado, 17 de dezembro de 2016

Colo de mãe


Quando eu escolher deixar Teu regaço, ao ser atraída pelos prazeres que esse mundo tem a oferecer. Quando eu me perder no super mercado da vida, onde existem milhões de opções, mas não tenho a capacidade de escolher sozinha. Quando eu não tiver um lugar para reclinar minha cabeça em paz.

Quando meu corpo estiver envolto nos braços do medo, da ansiedade ou da preocupação. Quando todos os rostos forem desconhecidos. Quando eu não tiver quem me sustente. Quando eu não tiver um lugar para me afogar segura em minhas lágrimas de aflição.

Quando eu constantemente cair por falta de apoio sob meus pés. Quando eu não tiver a quem contar as dores, e quando ninguém for capaz de curar minhas feridas. Quando a parte vazia em mim for mais espaçosa que a parte cheia. Quando meu mundo acabar...

Tudo que eu preciso, tudo o que eu busco freneticamente são Teus braços, como uma criança que busca desesperada o colo de mãe. Tudo o que eu preciso é me lançar do colo do desconhecido, confiando que, como uma mãe, não me deixarás cair, e nem me machucar.


"Pode uma mulher-esquecer-se de seu filho de peito,
de maneira que não se compadeça do filho do seu ventre?
Mas ainda que esta se esquecesse,
eu, todavia,
não me esquecerei de ti."
- Isaías 49.15

Nenhum comentário:

Postar um comentário